domingo, 10 de abril de 2011


 

AQUIESCÊNCIAS
 Rita Santana



Aquiescências
Pelo teu desvelo
Em deixar-me
A ver navios.

Deixar-me
A navegar
Nas baixas marés
De tuas fartas
Falácias.

Aquiescências
Pelo esquecimento
Voluntário,
Pelo elo ilusório,
Pelos pelos,
Pairando sobre
A pele Láctea.

Aquiescências
Por esta infante
Fantasia
De ser tua.
Inda que nunca,
Inda que nada.

Morrendo na praia 
A  cada dia.







Bruno gentilmente traduziu o poema para o francês. Merci, Bruno!
http://www.bahiaflaneur.net/blog2/2011/04/acquiescements-par-rita-santana.html


 

2 comentários:

  1. seu poema é um perfume doloroso.

    ResponderExcluir
  2. Então, Poeta! Obrigada pela imagem sinestésica. É linda. A palavra título é que me fascina e me toma. É a beleza da palavra que me arrasta a escrever coisas. Um beijo!

    ResponderExcluir